17 junho, 2009

Distância

Vi-te pela última vez há catorze anos, nesse tempo em que ainda dávamos as mãos e partilhávamos alegrias e receios. Separados, continuamos os nossos caminhos, divididos pela distância física e temporal que se impunha. Duas vidas tinhas tu. A tua, da qual eras o gatekepper que deixava entrar ou sair quem bem entendesse, da qual tinhas controlo e poder de decisão. A minha, delicada e silenciosa, passeando pelos meandros da minha memória, as recordações de tempos de infância. Hoje a vida que te foi dada poderia ser só tua. Mas preferiste assim, de forma altruísta e pura, um pouco cruel, talvez, cruzar de novo os nossos caminhos e entregar-te a mim. Hoje continuas a viver, mas apenas na minha memória.

4 comentários:

Ricardo Marques disse...

É lá, este texto está qualquer coisa de magnífico ! :D

Sintético, espelha bem os sentimentos nele incutidos. E a escolha de palavras está fabulosa.

Muito bom Beky, muito bom.
;)

Beky disse...

Obrigada Ricardo.
Este veio mesmo do fundo de mon coeur!

Alexandra disse...

Sim senhora Beky, o teu estilo está muito bom, vê-se efectivamente que este texto foi sentido e que conseguiste escolher palavras para exprimir os teus sentimentos. Houve uma grande evolução na escrita, continua, irás longe!
Sinto um grande orgulho em ti!

Beky disse...

Obrigada mãezinha!
Espero que continues a ler o meu blogue.
É a tua obrigação de mãe! ^^